NOTÍCIAS

CUT-RS adere à campanha Outubro Rosa para prevenir câncer de mama

Publicado em 03/10/2018

Como faz já há 3 anos, a CUT-RS aderiu ao clima da conscientização do Outubro Rosa e alterou as cores de suas páginas na internet e no Facebook. Trata-se de uma campanha criada pelo Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva (Inca), que tem por objetivo alertar as mulheres sobre a necessidade do diagnóstico precoce do câncer de mama. Autoexames e mamografias devem fazer parte da rotina de todas as mulheres.

“É uma campanha de prevenção de uma doença que acomete as mulheres  trabalhadoras, no momento em que elas não têm o devido tempo e nem amparo das instituições públicas para realizar exames periódicos. Isso causa  uma maior incidência de casos. Sabemos da atual conjuntura que nos retirou os espaços governamentais para tratar da saúde da mulher. Por isso, é importante a valorização dessa campanha”, afirma a secretária de Mulheres da CUT-RS, Ísis Marques.

Segundo dados do Inca, a estimativa é de 57 mil novos casos por ano em mulheres cada vez mais jovens. Porém, quanto mais cedo o diagnóstico, maiores são as chances de cura. De acordo com a instituição, quando o câncer é descoberto no início há 95% de probabilidade de recuperação total. Sem considerar os tumores de pele não melanoma, esse tipo de câncer é o mais freqüente nas mulheres das regiões Sudeste, Sul, Centro-Oeste e Nordeste.

Junto com o incentivo aos exames, o Outubro Rosa tem oportunizado debates, seminários e eventos em vários sindicatos, o que contribui para divulgar a importância da prevenção e do diagnóstico precoce da doença.

O Instituto da Mama do Rio Grande do Sul (Imama RS) também promove diversas atividades para conscientizar as mulheres e a sociedade.

O que é o câncer de mama

A doença está relacionada a fatores de risco, reprodutivos/hormonais e genéticos/hereditários. Esses últimos são responsáveis por 5% a 10% do total de casos.

O câncer de mama é o mais comum entre as mulheres no mundo e no Brasil, depois do de pele não melanoma. Os tumores da região também acometem homens, porém são raros, representando apenas 1% do total de casos diagnosticados.

Existem vários tipos de câncer de mama. Alguns evoluem de forma rápida, outros, não. A maioria tem bom prognóstico.

Estima-se que 30% dos casos da doença possam ser evitados quando são adotadas práticas saudáveis como: praticar atividade física regularmente, manter uma alimentação saudável, evitar o sobrepeso corporal e o consumo de bebidas alcoólicas. Amamentar também é um importante fator de proteção

Outubro Rosa

O movimento conhecido como Outubro Rosa nasceu nos Estados Unidos, na década de 1990, para estimular a participação da população no controle do câncer de mama. A data, hoje difundida em diversos países. é celebrada anualmente com o objetivo de compartilhar informações sobre o câncer de mama e promover a conscientização sobre a importância da detecção precoce da doença.

No Brasil, a primeira iniciativa partiu de um grupo de mulheres, em 2002. O Inca participa do movimento, desde 2010, promovendo campanhas e espaços de discussão sobre câncer de mama, divulgando e disponibilizando seus materiais informativos, tanto para profissionais de saúde quanto para a sociedade.

Prevenir escândalos como Pelotas  

Em julho deste ano, o Ministério Público do Rio Grande do Sul iniciou uma série de investigações para apurar  fraudes nos exames de pré-câncer realizados no município de Pelotas, na gestão do ex-prefeito Eduardo Leite e da atual prefeita Paula Mascarenhas, ambos do PSDB.

Médicos e enfermeiros da Unidade Básica de Saúde (UBS) Bom Jesus denunciaram o laboratório responsável pela execução dos exames. Segundo vários profissionais, tais exames foram analisados por processo de amostragem, contemplando apenas uma pequena parcela  dos testes realizados pelo Sistema Único de Saúde (SUS). De uma amostragem de 500 casos, apenas 5 eram analisados.

Para a CUT-RS, a existência de um processo de amostragem revela a face mais cruel das terceirizações, uma vez que inúmeras experiências demonstram que o serviço terceirizado é mais caro e de pior qualidade que os realizados por servidores públicos concursados. Quem paga o preço é o bolso e a saúde da população.

 

 

Fonte: CUT-RS